Blog Oficial Alemdii

Risankizumabe em estudos para psoríase, doença de Crohn, colite ulcerativa e artrite pasoriásica

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

AbbVie anuncia resultados positivos de dois estudos clínicos com Risankizumabe em fase 3 para psoríase

Nos 2 estudos, à avaliação realizada na décima sexta semana de tratamento, 37 e 51 por cento dos pacientes com psoríase em placas tratados com risankizumabe (estudo ultIMMa-1 e ultIMMa-2 respectivamente) obtiveram clareamento das placas, comparado com 15 e 35 por cento dos pacientes tratados com ustekinumabe.
-À avaliação realizada após um ano de seguimento (52 semanas), 58 e 60 por cento dos pacientes com psoríase em placa tratados com risankizumabe alcançaram e mantiveram clareamento das placas, comparado com 21 e 30 por cento dos pacientes tratados do ustekinumabe.
-Risankizumabe é um composto, em fase de pesquisa, que seletivamente inibe a IL-23 (interleucina 23) e está sendo avaliado como potencial tratamento para garantir, por longo prazo, o clareamento total ou parcial da pele de pacientes com psoríase, após 12 semanas de tratamento.
-A psoríase é uma doença da pele relativamente comum, crônica e não contagiosa. Sua causa é desconhecida, mas sabe-se que pode estar relacionada ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética. É frequente a associação de psoríase e artrite psoriásica, doenças cardiometabólicas, doenças gastrointestinais e distúrbios do humor.

A AbbVie, empresa biofarmacêutica global dedicada à pesquisa e desenvolvimento, apresentou novos resultados positivos dos estudos de fase 3 ultIMMa-1 e ultIMMa-2, que avaliam a eficácia e segurança de risankizumabe 150 mg, em comparação com placebo ou ustekinumab (45 ou 90 mg, dependendo do peso do paciente).

Risankizumabe é um inibidor de interleucina 23 (IL-23), em avaliação para pacientes com psoríase em placas de moderada a grave. Risankizumabe não está aprovado pelas autoridades regulatórias mundiais, incluindo o Brasil. Risankizumabe faz parte de colaboração com a Boehringer Ingelheim, sendo que a AbbVie liderará o seu desenvolvimento e a futura comercialização, globalmente.

Nos estudos apresentados, mais pacientes tratados com risankizumabe apresentaram melhoria nas lesões de pele em comparação aos pacientes tratados com ustekinumabe, segundo o índice sPGA (Physician Global Assessment). Além disso, ao longo de um ano de tratamento, mais pacientes tratados com risankizumabe relataram 0 (zero) ou 1 no Índice de Qualidade de Vida na Dermatologia(DLQI), em comparação com ustekinumabe. DLQI é uma medida de qualidade de vida, que varia de 0 a 30 – pontuações menores indicam menor impacto da doença na qualidade de vida.
Em ambos os estudos ultIMMa-1 e ultIMMa-2, os eventos adversos mais frequentes entre os pacientes que receberam risankizumab, foram infecções do trato respiratório superior. Um paciente apresentou tuberculose latente e foi tratado com rifampicina.
“Não somente porque estes dados mostram taxas significativas do clareamento da pele de pacientes com psoríase, mas também porque sabemos que o impacto da psoríase vai além de sua manifestação na pele, estamos otimistas pela melhora relatada pelo próprio paciente em sua qualidade de vida depois de um ano de tratamento”, afirmou o médico Kenneth B. Gordon, professor e chefe do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina de Wisconsin, dermatologista do Hospital Universitário Froedtert de Wisconsin e principal pesquisador do estudo ultIMMa-.
“O tratamento com risankizumabe resultou em taxas significativas de clareamento total da pele, o que fundamenta seu potencial como importante opção de tratamento para psoríase crônica de placa”, disse o médico e Ph.D. Marek Honczarenko, vice-presidente de desenvolvimento em Imunologia da AbbVie.
ultIMMa-1 e ultIMMa-2 são estudos de fase 3, randomizados, duplo-cegos e de dupla simulação, desenhados para avaliar a segurança e eficácia de risankizumabe, em comparação com placebo ou com ustekinumabe em pacientes adultos com psoríase crônica em placas, moderada a grave. Risankizumabe 150 mg foi administrado aos pacientes por injeção subcutânea nas semanas 0, 4, 16, 28, 40. Ustekinumabe 45 mg ou 90 mg, conforme o peso do paciente, foi administrado também por injeção subcutânea nas semanas 0, 4, 16, 28, 40. Como objetivos principais do estudo, foram estabelecidas a obtenção de pelo menos 90 por cento de melhora no índice PASI – Índice da Gravidade da Psoríase por Área (PASI 90) na semana 16 e a obtenção de índice sPGA de clareamento ou quase clareamento total (0/1) na semana 16 em comparação com placebo. Estes estudos de fase 3 estão sendo conduzidos em cooperação pelas companhias AbbVie e Boehringer Ingelheim. Mais informações sobre estes estudos podem ser obtidas (em inglês) em http://www.clinicaltrials.gov (ultIMMa-1: NCT02684370; ultIMMa-2: NCT02684357).
Risankizumabe é um composto em fase de pesquisa desenvolvido para seletivamente bloquear a IL-23, através da ligação com a sua subunidade p192. A IL-23 é uma citocina chave envolvida nos processos inflamatórios e que se acredita estar associada a várias doenças crônicas imuno-mediadas. Estudos de fase 3 de risankizumabe em psoríase estão em andamento, bem como para o tratamento de Doença de Crohn e da artrite psoriásica. Estudos clínicos estão sendo planejados para investigar risankizumabe em retocolite ulcerativa. Risankizumabe não tem aprovação regulatória. O perfil de eficácia e segurança ainda não está estabelecido.
A AbbVie é uma companhia biofarmacêutica global, que tem o compromisso de desenvolver terapias inovadoras avançadas, para algumas das mais complexas e críticas condições de saúde. A missão da companhia é usar seu conhecimento, equipe dedicada e foco em inovação para aprimorar, de forma notável, tratamentos em quatro áreas terapêuticas principais: imunologia, oncologia, virologia e neurociência. Em mais de 75 países, os colaboradores da AbbVie trabalham todos os dias para desenvolver soluções em saúde para pessoas ao redor do mundo. Para mais informação sobre a AbbVie, acesse http://www.abbvie.com. Siga @abbvie no Twitter, Facebook ou LinkedIn No Brasil, a AbbVie começou a operar no início de 2014. Suas unidades de negócios locais incluem imunologia, neonatologia, virologia e oncologia e, entre suas diferentes áreas de atuação, conduz mais de 50 estudos clínicos, envolvendo mais de 2300 pacientes, em 300 centros de pesquisa.
Fonte: Exame

Conte a sua história

Farmale é membro

Investidores Sociais

Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

NOSSAS REDES

Inscreva-se em nossa Newsletter

O conteúdo editorial do blog Farmale não apresenta nenhuma relação comercial com os investidores sociais do blog, assim como com a publicidade veiculada no site.

 O blog Farmale faz parte do projeto de comunicação da ALEMDII.

A informação contida neste blog está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso à Informação é um direito seu: Fique informado.

Tradução »

Doe sua história

Cadastre-se

E fique por dentro de nossas novidades!

Nós siga nas redes sociais e curta a página.

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.