Blog Oficial Alemdii

Mapeamento do microbioma

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Microbioma humano contém exponencialmente mais genes do que a quantidade de genes humanos

O professor Dan Waitzberg ressalta que o microbioma humano contém exponencialmente mais genes do que a quantidade de genes humanos e, por isso, é muito provável que o maior conhecimento do microbioma venha a ser crítico para prevenir e tratar diversas doenças neurológicas, psiquiátricas, respiratórias, cardiovasculares, gastrointestinais, hepáticas, autoimunes, metabólicas e oncológicas nos próximos anos. “Sabemos que 80% dos microrganismos que habitam o corpo humano ficam no trato gastrointestinal, principalmente no cólon. Portanto, é impossível dissociar a microbiota da DII”, complementa o professor Claudio Fiocchi. Entretanto, por ser muito diversificada e abundante, não é possível quantificar ou qualificar esse ecossistema sem ver quais genes são expressados pelos microrganismos, que tipos de proteínas essas bactérias produzem, como é esse metabolismo e muitas outras questões.

Uma novidade na área é o mapeamento do microbioma, já disponível em vários laboratórios específicos – inclusive no Brasil. Segundo o professor Dan Waitzberg, diretor científico da Bioma4me (que faz esse mapeamento), conhecer a composição da microbiota intestinal na saúde e na doença permite a prevenção e o tratamento de algumas enfermidades e distúrbios de saúde, assim como intervenções mais seguras a partir de indicação adequada de cepas específicas de probióticos e prebióticos. “Também vai auxiliar os médicos e nutricionistas a reforçar a necessidade da mudança de hábitos e estilo de vida dos pacientes. Essa atitude inclui forçosamente a dieta, que poderá ser reforçada com a inclusão de nutrientes específicos para buscar o equilíbrio da microbiota intestinal”, argumenta.

Os professores concordam que, a cada ano, a Medicina se aproxima das condições para ser mais personalizada, e considerar as diferenças genéticas em termos de polimorfismos e epigenética será um dos caminhos para prevenir e tratar doenças.

Fonte: ABCD em Foco

Leia mais:

Publicações relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »

Doe sua história

Cadastre-se

E fique por dentro de nossas novidades!

[sibwp_form id=2]

Nós siga nas redes sociais e curta a página.

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.