Blog Oficial Alemdii

Sua doença não é culpa sua

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Você quer apoiar alguém que está doente? Então antes certifique-se de que é muito possível que essa pessoa esteja neste momento lutando contra um sentimento de que fez algo de errado ou que merecesse ter a doença. Um sentimento de culpa.
O que realmente uma pessoa com uma doença crônica gostaria de ouvir é “Tenha calma, estou aqui para te apoiar”, mas o que as pessoas costumam nos dizer é “eu tenho o segredo para você melhorar, se você tivesse coragem e força de vontade para seguir meu conselho, você não estaria doente.” Isso só reforça o sentimento de culpa, que merecemos estar doentes, que provocamos essa doença. E muitas vezes eu ainda penso que a culpa é minha, eu acredito nisso. Quando furo a dieta proposta pela minha Nutricionista é um dos momentos mais deprimentes para mim, pois sei que algo vai dar errado e mesmo assim eu vou lá e como o que não devo. Mas aqui, pensando friamente, posso te afirmar que a culpa é nossa sim, pois sabemos as consequências.

Agora, se culpar por ter uma doença crônica é outro assunto e não podemos alimentar esse sentimento. Sabe por que?

Veja bem, boas e más pessoas, atletas campeões, pessoas que bebem demasiadamente, fumantes e não fumantes, pessoas que se alimentam de forma saudável também têm doenças crônicas. Então é mais provável que seja algo aleatório e não nossa culpa. 
 
Esse sentimento de culpa é comum entre as pessoas com doenças crônicas. Devemos ficar longe dessa linha de pensamento, porque ela pode levar à depressão. Tentar colocar a culpa em alguém, seja em nós mesmos ou outra pessoa, não vai trazer a cura e não vai fazer com que a gente se sinta melhor. É uma prática muito mais saudável investir a nossa energia no pensamento positivo.
 
Trabalhar o quanto conseguir para evitar pensamentos como “a culpa é minha” ou “eu poderia ter feito algo diferente”. Esse tipo de pensamento tende a resultar em depressão. Portanto, sempre que começarmos a pensar dessa forma, vamos imaginar um sinal de “PARE” enorme e mandarmos o pensamento embora.

O importante é você trabalhar a aceitação, aceitando que a sua vida é diferente e que seu corpo também. Precisamos aprender a viver dentro desse corpo que por vezes magoa a si próprio.

Não perca a esperança, as pesquisas estão sempre avançando e quem sabe um dia teremos algum medicamento realmente efetivo ou quem sabe a cura.
 
Sobre os nossos sentimentos influenciarem no curso da doença, isso é um fato já comprovado cientificamente. Por isso, receber apoio de pessoas que realmente se importam conosco é muito reconfortante. Buscar ajuda com um Psicólogo ou terapias alternativas, como meditação, Yoga pode ajudar a restabelecer o equilíbrio dos sentimentos e ajudar com a aceitação.
 
Então quando você quiser apoiar, primeiramente entenda algumas coisas: não existe cura para as doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e retocolite ulcerativa), não existe dieta específica para tais doenças. Não é algo simples de tratar, não é por falta de vontade minha que estou doente. São doenças crônicas e autoimunes que ainda não se sabe nem ao certo o que pode levar uma pessoa a desenvolver. Os tratamentos disponíveis não funcionam da mesma maneira em todos. Que fique claro que não é falta de tentativa. Usamos corticoides, imunossupressores, antibióticos, medicamentos biológicos e todos têm diversos efeitos colaterais, onde o risco/benefício é constantemente avaliado. Passamos por cirurgias, internações, alguns passam a viver ostomizados, outros com próteses, outros com dores intermináveis… a luta que travamos dia a dia não é pequena.
Agora que você leu uma pequena lista do que passamos, tente ter empatia, entendendo e apoiando verdadeiramente, sem querer encontrar um culpado ou achar que não estamos tentando fazer o melhor. A culpa não é minha, não é nossa!
Esse texto foi inspirado no depoimento de Hank Green, um desabafo sobre a o sentimento de culpa quando temos uma doença crônica. Ele tem retocolite ulcerativa. O vídeo está em inglês, mas você pode acompanhar com a legenda em Português.  

 

Sobre Hank Green:
Visite aqui a página no Facebook, o Instagram Farmale e o Canal Farmale!
Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!
Compartilhe essa informação com alguém que possa estar precisando dela!
O Farmale é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde, nutrição e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.
O Farmale é o blog oficial da ALEMDII – Associação do Leste Mineiro de Doenças Inflamatórias Intestinais

Publicações relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »

Doe sua história

Cadastre-se

E fique por dentro de nossas novidades!

[sibwp_form id=2]

Nós siga nas redes sociais e curta a página.

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.