Blog Oficial Alemdii

Secretaria de Saúde fraciona medicamentos da rede pública de Brasília

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Após falhas, Secretaria de Saúde fraciona medicamentos da rede pública

Após órgãos apontarem falhas e prejuízos, secretaria muda o protocolo para distribuição de medicamentos. Agora, em vez de caixas, os pacientes vão receber pequenos kits, com a quantidade exata prescrita pelo médico

Falhas no recebimento, armazenamento e distribuição de medicamentos na rede pública da capital federal se tornaram corriqueiras. Remédios vencidos ou desviados, estoques em condições inadequadas e atraso nas compras são um problema crônico. Órgãos de controle e a Polícia Civil alertam a Secretaria de Saúde para a necessidade de melhorar a gestão desses insumos. Agora, a pasta vai fracionar os medicamentos a serem distribuídos para evitar fraudes. Em vez de caixas, os pacientes vão receber as quantidades exatas prescritas por um médico.
A Secretaria de Saúde anunciou a medida 20 dias após a deflagração da Operação Medlecy (leia Memória), que apura o desvio de remédios de alto custo da rede pública para revenda em hospitais particulares de São Paulo. “Estamos implantando a dose individualizada em todos os hospitais, com a dispensação sendo feita na dose específica, apenas com o necessário para o tratamento diário do paciente”, explicou a pasta, em nota, sem informar quando a decisão entra em vigor.
A medida, contudo, não basta para resolver os problemas do setor. Os erros na logística de compra e distribuição de medicamentos dividem pacientes e servidores públicos em grupos antagônicos: enquanto os doentes enfrentam o desabastecimento contumaz, os servidores têm que driblar a falta de estrutura que garante a qualidade e a distribuição dos remédios. Só os oferecidos na Farmácia de Alto Custo representam um gasto de quase R$ 300 milhões anuais.
Uma equipe na Secretaria de Saúde é responsável pelo recebimento, armazenamento e distribuição. A principal ferramenta de monitoramento é o registro do lote dos remédios. Não é o suficiente. “O armazenamento é sanitariamente inadequado, com iluminação, refrigeração e organização precárias. Toda a estrutura é vulnerável”, conta um servidor que pediu para não ter o nome divulgado.
Nos últimos dois anos, a gestão de medicamentos na Secretaria de Saúde foi alvo de duas operações do Ministério Público  (MPDFT). A Promotoria de Justiça de Defesa de Saúde (Prosus), apura desperdícios. A Controladoria-Geral da União (CGU) apontou irregularidades em três dos seis locais de armazenamento. No ano passado, 41 mil comprimidos sumiram e um incêndio atingiu a Farmácia de Alto Custo da Asa Sul.
O Correio questionou à Secretaria de Saúde se os estoques da pasta contam com vigilantes e câmeras de segurança. A pasta respondeu apenas que o acesso a esses locais é restrito e que a distribuição é feita mediante a apresentação de prescrição médica. “São realizados inventários periódicos para a checagem do estoque físico, confrontando com as receitas arquivadas”, ressaltou, em nota.

Reforma

O Hospital de Base reunia todos os problemas na gestão de medicamentos na rede pública. Insumos que custam mais de R$ 3 mil ficavam guardados em caixas nos corredores da maior unidade do DF. Perdas eram inevitáveis e impossíveis de serem apuradas. Para mudar a situação, a nova administração, que assumiu o hospital há pouco mais de um mês, investiu R$ 2,5 milhões na reforma de um galpão de 500m² e na compra de remédios e mobiliário.
Agora, os remédios são monitorados por câmeras de segurança e três salas abrigam os itens mais caros e de uso restrito. Cinquenta farmacêuticos vão ser contratados para o controle de recebimento e entrega dos insumos. “Deixávamos as caixas nos corredores. Não era possível garantir a qualidade e a segurança dos remédios”, conta o coordenador da Farmácia do Hospital de Base, Jansem Rodrigues. Seis refrigeradores e 180 remédios foram comprados para a reformulação do serviço.
As modificações atendem o que os usuários cobram do Executivo local: controle. A professora Jeane Gudim Schneider, 45 anos, tem uma doença que reduz a quantidade de plaquetas no sangue. O remédio custa R$  2,6 mil e dura só 14 dias, mas ela precisa fazer uso contínuo. Se não se tratar, a moradora do Núcleo Bandeirante pode morrer. “O remédio falta e ninguém responde por isso. Esse exemplo mostra que falta gestão na compra de medicamentos”, reclama. Ontem, ela voltou para casa sem a droga. Há dois meses não toma o remédio.
O administrador aeroportuário aposentado Gilberto Marques, 57 anos, cobra auditorias. “É preciso explicar por que falta, por que some, por que não é bem guardado. Não se pode deixar largado. A população paga com a vida esse descontrole”, ressalta. Ontem, faltavam 40 remédios na Farmácia de Alto Custo da Asa Sul, 47 na de Ceilândia e 42 na do Gama.

Memória

Empresas de fachada
As investigações da Operação Medlecy começaram em abril de 2015, em Bauru (SP). Um grupo criminoso conseguia remédios de alto custo por meio de furto, roubo e desvio de órgãos públicos, para,  por meio de empresas de fachada, vendê-los a clínicas e hospitais.
O grupo movimentou R$ 16,5 milhões entre setembro de 2014 e maio de 2016. Os presos serão acusados de prática de organização criminosa e crime contra a saúde pública. Integrantes da máfia são investigados em São Paulo, Goiás, Espírito Santo e no DF. Um morador de Ceilândia foi preso com R$ 138 mil em medicamentos contra câncer.
Fonte: Correio Brasiliense

Publicações relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »

Doe sua história

Cadastre-se

E fique por dentro de nossas novidades!

[sibwp_form id=2]

Nós siga nas redes sociais e curta a página.

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.