Blog Oficial Alemdii

Anemia e Doenças Inflamatórias Intestinais

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Uma das manifestações mais frequentes na DII, a anemia diminui qualidade de vida e aumenta os riscos

Doença que reduz a quantidade de glóbulos vermelhos responsáveis pelo oxigênio dos órgãos, a anemia tem causas diversas, embora a mais frequente seja a deficiência de ferro, que atinge cerca de 30% da população mundial.

Apesar de acometer qualquer indivíduo, a anemia ocorre principalmente em grupos vulneráveis, como crianças menores de três anos de idade, mulheres e gestantes, e é uma das manifestações mais frequentes nos pacientes com doença inflamatória intestinal (DII).

Além de contribuir para a diminuição da qualidade de vida, a anemia é um importante sinalizador de descompensação da DII. Por isso, médicos e pacientes devem ficar atentos aos sintomas para tomar medidas efetivas logo após o diagnóstico.

Anemia por doença crônica

Em pacientes com DII, a anemia é causada por fatores como sangramento e doença subjacente e é um sinal de doença em atividade, mas sua correção significa melhora da atividade inflamatória. Entretanto, a principal causa é a anemia de doença crônica. Esta desregulação da homeostasia do ferro que ocorre em enfermidades inflamatórias é conhecida como ‘Síndrome de Sequestro de Ferro’. O sequestro de ferro é induzido pelo sistema imune e, em particular, pela hepcidina, um hormônio peptídeo produzido no fígado por estimulação das citocinas pró-inflamatórias. Nesta condição, o ferro não é absorvido pelo tubo digestivo.

Dados indicam que as anemias pioram a qualidade de vida, aumentam as comorbidades e a mortalidade de indivíduos com doenças inflamatórias intestinais, diminuem as funções cognitivas e a capacidade laboral, e aumentam os riscos de hospitalização. Os pacientes com DII com deficiência de ferro também apresentam maior susceptibilidade à infecção, irritabilidade, náuseas, cefaleia, taquicardia e perda da libido.

Fonte: ABCD em Foco, Ed 62. Entrevista com a médica hematologista e hemoterapeuta Clarisse Lobo, doutora em Ciências Médicas pela Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do HEMORIO.

Publicações relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »

Doe sua história

Cadastre-se

E fique por dentro de nossas novidades!

[sibwp_form id=2]

Nós siga nas redes sociais e curta a página.

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.